Arquivo mensal: junho 2015

Uma carta: Espiritualizar o sofrimento

Carta de Frithjof Schuon de 13 de maio de 1949, publicada em Vers l’Essentiel, Sept Flèches, Lausanne, Suíça, 2013, pág. 15:

“Os fatos que vós relatais em vossa segunda carta são, com efeito, miraculosos. Eles põem em relevo o sentido espiritual e providencial das provações que se seguiram. Tais provações têm uma dupla causa: o esgotamento de nossos erros passados – que podem se situar numa vida anterior – e a reação cósmica contra nossa ignorância de fato; há também sofrimentos que têm o sentido de um martírio e que um santo homem pode assumir por outra pessoa. Em vosso caso, não há necessidade nenhuma de vos preocupar com vossa incapacidade de vos concentrar ou de meditar: teria bastado oferecer vossos sofrimentos a Deus e invocar Seu Nome sem concentração. Num grande sofrimento, como numa grande alegria, é a coisa vivida que faz função de meditação; e é a aceitação – em vista de Deus – de um sofrimento que faz função de concentração. Eu o sei por experiência, pois sofri atrozmente em minha vida.

“Na vida dos santos, na vida de Santa Teresa do Menino Jesus, por exemplo, o sofrimento por falta quase total de bem-estar físico e, sobretudo, também pelo frio e pela doença exerce um papel importante. Admitindo que Santa Teresa tivesse seguido uma via que exigisse a concentração intelectual, sua atitude em face do sofrimento teria sido a mesma. O sofrimento é, por “visão” direta, uma meditação da morte.

“Compreender e aceitar o sentido cósmico e espiritual da dor equivale provisoriamente a uma concentração. Poder-se-ia dizer que, em semelhante caso, e sob a única condição da atitude que acabo de definir, os anjos se concentram por nós – exatamente como se diz que os anjos rezam no lugar daquele que está impedido, por doença, de rezar, com a condição de que ele tenha a intenção de o fazer.”

Observações sobre o Zen

Publicamos hoje um ensaio de Frithjof Schuon contido no livro Tesouros do Budismo, ainda inédito em português. Trata-se de “Observações sobre o Zen”. Ele começa assim:

“O interesse suscitado nos países ocidentais pelo Zen resulta de uma reação compreensível contra a grosseria e a feiúra, e também de uma certa lassidão em relação a conceitos julgados inoperantes – correta ou erroneamente – e às logomaquias filosóficas habituais; mas ele se mistura facilmente com tendências antiintelectuais e falsamente ‘concretistas’ – já era de se esperar –, o que subtrai a esse interesse todo valor efetivo; pois uma coisa é situar-se além do mental, e outra coisa é permanecer abaixo de suas possibilidades mais elevadas, imaginando ter ‘superado’ aquilo de que não se compreende a primeira palavra.” (continue a ler)