Arquivo da categoria: Sem categoria

A ciência moderna ignora o que são a inteligência, a existência, o ser humano

A ciência moderna, que é racionalista quanto ao sujeito e materialista quanto ao objeto, pode nos situar fisicamente e de uma maneira aproximativa, mas ela não pode dizer nada sobre nossa situação extra-espacial no Universo total e real. Os astrônomos sabem mais ou menos onde nos encontramos no espaço, em que “lugar” relativo, em qual braço periférico da Via Láctea, e eles sabem talvez onde esta se situa entre as outras poeiras de estrelas; mas eles ignoram onde estamos nos “espaço” existencial: a saber, num estado de endurecimento e no centro ou no cume deste, e ao mesmo tempo na borda de uma imensa “rotação”, a qual não é senão a corrente das formas, o escoamento “samsárico” dos fenômenos, o panta rhei de Heráclito. A ciência profana, querendo penetrar até o fundo do mistério dos recipientes — o espaço, o tempo, a matéria, a energia —, esquece o dos conteúdos: ela quer explicar as propriedades quintessenciais de nosso corpo e o funcionamento íntimo de nossa alma, mas ela ignora o que são a inteligência e a existência; e, por consequência, ela não pode não ignorar — dados os seus princípios — o que é o homem.

(Frithjof Schuon, O Homem no Universo)

* * *

La science moderne, qui est rationaliste quant au sujet et matérialiste quant à l’objet, peut nous situer physiquement, et d’une façon approximative, mais elle ne peut rien dire sur notre situation extra-spatiale dans l’Univers total et réel. Les astronomes savent à peu près où nous nous trouvons dans l’espace, à quel « endroit » relatif, dans quel bras périphérique de la Voie Lactée, et ils savent peut-être où celle-ci se situe parmi les autres poussières d’étoiles ; mais ils ignorent où nous sommes dans l’« espace » existentiel : à savoir dans un état de durcissement et au centre ou au sommet de celui-ci, et en même temps au bord d’une immense « rotation », laquelle n’est autre que le courant des formes, l’écoulement « samsârique » des phénomènes, le panta rhei d’Héraclite. La science profane, en voulant percer à fond le mystère des contenants – l’espace, le temps, la matière, l’énergie – oublie celui des contenus : elle veut expliquer les propriétés quintessentielles de notre corps et le fonctionnement intime de notre âme, mais elle ignore ce qu’est l’intelligence et l’existence ; et par conséquent, elle ne peut pas ne pas ignorer – vu ses principes – ce qu’est l’homme.

(Frithjof Schuon, Regards sur les Mondes Anciens)

* * *

Modern science, which is rationalist as to its subject and materialist as to its object, can describe our situation physically and approximately, but it can tell us nothing about our extra-spatial situation in the total and real Universe. Astronomers know more or less where we are in space, in what relative “place”, in which of the peripheral arms of the Milky Way, and they may perhaps know where the Milky Way is situated among the other assemblages of stardust; but they do not know where we are in existential “space”, namely, in a state of hardness and at the center or summit thereof, and that we are simultaneously on the edge of an immense “rotation”, which is not other than the current of forms, the “samsaric” flow of phenomena, the panta rhei of Heraclitus. Profane science, in seeking to pierce to its depth the mystery of the things that contain — space, time, matter, energy — forget the mystery of the things that are contained: it tries to explain the quintessential properties of our bodies and the intimate functioning of our souls, but it does not know what intelligence and existence are; consequently, given what its “principles” are, it cannot be otherwise than ignorant of what man is.

(Frithjof Schuon, Light on the Ancient Worlds)

A absurdez que nos cerca

“Uma das coisas mais difíceis de suportar é a absurdez humana; aceitá-la a título de necessidade ontológica faz parte do Islã. Há pessoas que acreditam que é virtuoso não ver o mal e fingir que o preto é branco, o que é a própria negação da inteligência; na realidade, trata-se de discernir exatamente entre o bem e o mal ao mesmo tempo em que se se resigna, não ao mal enquanto tal, mas à existência metafisicamente inevitável do mal. Tudo isto é evidente, mas eu o escrevo porque o espetáculo do mal faz sofrer e porque já é algo de santidade saber combinar um discernimento implacável com uma serenidade inalterável; a qual não exclui, aliás, a santa cólera, diga-se de passagem.”

Frithjof Schuon, carta de 7 de fevereiro de 1980.

Três extratos de Schuon sobre a Virgem

K.I. escreve que há muitos santuários cristãos na India que são visitados por hindus. Isso não tem nada de surpreendente; é um aspecto do espírito hindu, baseado na Bhagavadgîtâ: “Sob qualquer forma que vós me adoreis, diz Krishna, é sempre a Mim que adorais.” Se hindus obtêm graças em tais lugares, são graças hindus; é o Céu hindu que atende às orações através de uma forma cristã ou outra. Fazendo-se exceção para a Virgem Santíssima, que pode ela mesma atender a um hindu se ela quer. […]

A Virgem Santíssima não é fundadora de religião, seu caso é portanto diferente do do Cristo; e como ela é — em linguagem hindu — uma encarnação plena e direta de Shrî Lakshmî, ou da Shakti enquanto tal, portanto também de Sarasvatî ou de Pârvatî, ela pode irradiar além das formas; é portanto concebível que ela atenda diretamente as preces dos hindus, dada a atitude característica deles baseada na Bhagavadgîtâ e em outros Textos sagrados.

[Carta de 22 de junho de 1970.]

Já me perguntaram mais de uma vez sobre a função respectiva do Logos masculino e do Logos feminino. Ora, o Cristo é a “Via” e a Virgem é o “Lugar”; ele é o Sacrifício e ela é o Templo. Eu poderia também dizer, o mais concretamente possível, que o Cristo personifica as Perfeições espirituais, enquanto que a Virgem Santíssima personifica o Retiro; ela é o ambiente santo sem o qual não há floração. Isto eu sei por experiência; a graça marial exclui toda curiosidade mundana e toda dissipação alienante; ela é como uma aura pura e bem-aventurada que nos acompanha em toda parte e de que não devemos sair. E isto não deixa de ter relação com o simbolismo de seu véu ou de seu manto, que protege e que é o abrigo dos santos.

[Carta 24 de de novembro de 1980]

A Virgem Santíssima personifica a beleza do Céu, ela é algo da Beleza de Deus.

[Carta de 4 de maio de 1971]

*

Publico estes três extratos de cartas de Frithjof Schuon em função dos 300 anos, completados hoje, de Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil.

 

 

Convém ser prudente ao julgar fenômenos de outros mundos religiosos

(…) cada religião possui uma aura energética — uma barakah — que produz fenômenos em conformidade com a perspectiva da religião considerada: num ambiente sufi, fenômenos miraculosos se produzem — ou são produzidos — que corroboram sobrenaturalmente a perspectiva que descrevemos [no que precede este extrato], a saber, a confiança na Causa divina única, e que encorajam eventualmente que se recorra a atitudes em grande parte irrazoáveis, mas heroicamente piedosas. Muitos fatos desse gênero parecem inverossímeis do ponto de vista cristão, mas é porque o estilo do Cristianismo é outro e produz, por consequência, outros prodígios; além disso, convêm ser prudente ao julgar fenômenos que se situam num mundo religioso que não o nosso, e cuja aparente inverossimilhança só faz ilustrar de uma maneira particularmente concreta a diferença profunda entre os universos tradicionais.

Frithjof Schuon, Approches du Phénomème Religieux, Le Courrier du Livre, Paris, 1984, p. 136.

A sexualidade deve englobar a devoção e a verdade

Krishna Radha

Em ambiente cristão, a sexualidade em si, portanto isolada de todo contexto que a distorça, é carregada facilmente com o opróbrio da “bestialidade”, enquanto que na realidade nada do que é humano é bestial por sua natureza; é por isso que somos homens e não animais. Contudo, para escapar à animalidade da qual participamos é preciso que nossas atitudes sejam integralmente humanas, ou seja, conformes à norma que nos impõe nossa deiformidade; elas devem englobar nossa alma e nosso espírito, ou, em outros termos, a devoção e a verdade. De resto, só é bestial a paixão cega do homem caído, não a sexualidade inocente dos animais; quando o homem se reduz a sua animalidade, ele se torna pior do que os animais, que não traem nenhuma vocação e não violam nenhuma norma.

Frithjof Schuon, L’Ésotérisme comme principe et comme voie, Dervy-Livres, Paris, 1978, p. 126.

O fervor, a Virgem, a luz

A qualidade de fervor é, com efeito, a disposição da alma que incita ao cumprimento do que chamaremos de “dever espiritual”; se este se impõe por uma lei exterior, é porque ele se impõe interiormente e a priori por nossa “natureza sobrenatural”; um hindu diria que é nosso dharma libertar nossa alma, como é o dharma da água correr ou o do fogo, queimar. Essa lei imanente, no Islã, se manifesta sob a forma da “lembrança de Deus” (dhikru ‘Llâh); ora, o Alcorão especifica que é preciso lembrar-se de Deus “muito” (dhikran kathîran) — o Novo Testamento diz “sem se cansar” — e é essa frequência ou essa assiduidade, junto com a sinceridade do ato de oração, que constitui a qualidade de fervor.

[Nota a esta passagem:]

“Ó Maryam, permanece em oração diante de teu Senhor; prosterna-te e inclina-te com aqueles que se inclinam.” (Sura A Família de Imrân, 43.) É nestes termos que o Alcorão apresenta o fervor como fazendo parte da própria substância de Maria, o Mandamento divino sendo, aqui, não uma ordem dada a posteriori, mas uma determinação existencial. A notar que a Virgem Santa é Stella Matutina, o que se liga ao Leste, que, em nosso simbolismo, indica o fervor. À parte esta significação particular, o Leste exprime a vinda da luz, e é assim que a tradição cristã entende o título marial de “Estrela da Manhã”; ora, o fervor é função da luz como esta e o calor, em princípio, formam um par.

(Frithjof Schuon, Approches du Phénomène Religieux, Le Courrier du Livre, Paris, 1984, p. 168.)