O patriotismo natural é humilde e caridoso

O monastério de Pecherska Lavra, em Kyiv (Kiev), na Ucrânia. [Foto: Jean & Nathalie, Wikimedia Commons]

“Concretamente, a pátria é, não necessariamente um Estado, mas a terra, ou a paisagem, onde se nasceu, e o povo ou o grupo étnico ou cultural ao qual se pertence; não é senão natural que o homem ame sua ambiência de origem, assim como é natural, nas condições normais, que o homem ame seus pais ou que os esposos se amem reciprocamente e amem seus filhos; e não é menos natural que todo homem contribua, segundo sua função e seus meios, à defesa de seu país ou de seu povo quando eles são atacados.”

“O caráter sagrado de uma nação depende, não da santidade de seus cidadãos, isto é bem evidente, mas da integralidade tradicional de seu regime; o que torna impossível identificar um Estado laico a uma ‘Terra Santa’ é precisamente o caráter confessionalmente ‘neutro’, portanto heteróclito e profano, da civilização moderna. Há duas idolatrias que são incompatíveis com o caráter sagrado de uma nação: por um lado o civilizacionismo e, por outro, o nacionalismo…”

“O patriotismo profano misturado indevidamente à religião é um luxo tanto mais inútil quanto toma o lugar do patriotismo normal, e tanto mais pernicioso quanto arruina o prestígio da religião.”

“Erige-se a pátria-nação como valor transcendente, e pisoteia-se eventualmente o sentimento patriótico dos outros, ao mesmo tempo em que se exige deles, se necessário, uma lealdade sem mácula; desprezam-se os povos estrangeiros e gostar-se-ia de ser amado por eles.”

“O que censuramos aos patriotas xenófobos, certamente não é o estarem conscientes dos valores reais de sua pátria, mas o serem cegos para os valores de alguns outros países — é uma questão de interesse político e sentimental — e mesmo para os direitos elementares de outros povos.”

“Cristo não se preocupou senão da Pátria celeste, que ‘não é deste mundo’; isto basta, não para negar o fato natural de uma pátria terrestre, mas para se abster de todo culto abusivo — e antes de tudo ilógico — do país de origem.”

“O patriotismo natural é ao mesmo tempo determinado e limitado pelos valores eternos; ele ‘não se incha’ e não perverte o espírito; ele não é, como a xenofobia, o esquecimento oficial da humildade e da caridade, ao mesmo tempo que a anestesia de toda uma parte da inteligência; permanecendo em seus limites, ele é capaz de suscitar as mais belas virtudes sem ser um parasita da religião.”

Frithjof Schuon, “Usurpações do Sentimento Religioso”, in A Transfiguração do Homem, Sapientia, 2009.

2 ideias sobre “O patriotismo natural é humilde e caridoso

  1. Mateus

    Excelente, discernimento agudo e preciso. Quanto às circunstâncias presentes, creio que este trecho pode se aplicar em particular à guerra na Ucrânia: “Há duas idolatrias que são incompatíveis com o caráter sagrado de uma nação: por um lado o civilizacionismo e, por outro, o nacionalismo…” O nacionalismo se aplica à Rússia, não a toda ela, nem a todos os russos, óbvio, mas à facção que promove a guerra de forma fanática. Quanto ao civilizacionismo é o que hoje muitos chamam de “globalismo”, e se aplica às potências ocidentais.

    Resposta
    1. AQ Autor do post

      Grato pelo comentário, mas tenho que divergir. O nacionalismo não se aplica só “à facção que promove a guerra de forma fanática”. Aplica-se a muito mais pessoas (e, evidentemente, não só na Rússia, mas em todo o mundo). Há nacionalistas que promovem a guerra e nacionalistas que não promovem a guerra, nacionalistas que são “fanáticos” e nacionalistas que não são “fanáticos”. Da mesma forma, o civilizacionismo não se aplica somente às potências ocidentais, mas também à Rússia e a praticamente todos os países do mundo atual, dado que também eles são “racionalistas” e “cientistas”, duas características que Schuon usa para definir o civilizacionismo. Por outro lado, os extratos podem ser aplicados, sim, à invasão da Ucrânia pelo governo russo (não digo “pelo povo russo”, pois trata-se de uma ditadura). Eles dão elementos para que se entenda que essa invasão vai contra a Justiça divina, para os que têm olhos para ver.

      Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s