Arquivo do autor:Alberto Queiroz

“Meditações de Viagem”, por Frithjof Schuon

Tenho a grande honra de oferecer aos leitores este texto muito especial de Frithjof Schuon.

Mateus Soares de Azevedo teve a iniciativa de traduzi-lo da versão inglesa e deu-me a liberdade de fazer uma revisão de seu trabalho com base no original alemão, com vistas a publicá-lo neste espaço.

Agradecemos aos detentores dos direitos pela autorização para a publicação.

Muitas questões surgem para uma pessoa simplesmente porque ela se deixa atrair e aprisionar no domínio em que há questões, em vez de permanecer no domínio da certeza. Se algo a deixa confusa, ela deveria antes de tudo voltar à certeza de que não é este mundo como tal, mas o mundo vindouro, que é importante, e acima de tudo de que Deus é a Realidade; e ela deveria dizer a si mesma: em face desta verdade, que fundamentalmente é a solução para todas as questões, esta ou aquela questão simplesmente não se coloca; basta que ela tenha a Resposta das respostas. E então Deus lhe dará uma luz também para o que é terreno e particular.

(continue a ler em formato web / em PDF)

Muitas pessoas

Pintura de Frithjof Schuon

Desde seu lançamento, no fim de 2013, este website teve mais trinta e cinco mil acessos.

Neste ano de 2018, foram, até agora, mais de cinco mil acessos de possivelmente mais de mil e quinhentas pessoas diferentes.

Muitos, certamente, acessam o website por curto período de tempo, sem realmente ler o conteúdo. Mas creio que um número de pessoas tem, ao longo destes anos, tirado dele um real proveito.

A quantidade, como ensina a tradição, não importa, mas a qualidade. Se, para um única pessoa, este material do grande Frithjof Schuon tiver feito uma diferença significativa, no sentido da Verdade, do Bem e da Beleza, já estaremos muito felizes.

Nosso propósito é apenas compartilhar com outros o que recebemos desse grande mestre — filósofo, poeta e, também, pintor. Como, por exemplo, a bela imagem acima, que nos chama à interioridade contemplativa.

 

Por que há várias Revelações?

Dado que só há uma Verdade, não se deveria concluir que só há uma única Revelação, uma única Tradição possível? A esta questão respondemos em primeiro lugar que Verdade e Revelação não são termos absolutamente equivalentes, pois a Verdade se situa além das formas e a Revelação, ou a Tradição que dela deriva, é de ordem formal, e isto por definição; ora, quem diz forma, diz diversidade, portanto pluralidade; a razão de ser e a natureza da forma são a expressão, a limitação, a diferenciação. O que entra na forma, entra também no número, portanto na repetição e na diversidade; o princípio formal — inspirado pela infinidade da Possibilidade divina — confere a essa repetição a diversidade. Continuar lendo

O amor, a mulher, a música

Image result for krishna kangra painting

Fundamentalmente, todo amor é uma busca da Essência ou do Paraíso perdido; a melancolia doce ou potente que intervém frequentemente no erotismo poético ou musical manifesta essa nostalgia de um Paraíso longínquo e sem dúvida também da evanescência dos sonhos terrestres, cuja doçura, precisamente, é a de um Paraíso que  não mais percebemos, ou que ainda não percebemos. Os violinos ciganos evocam não somente os altos e baixos de um amor demasiado humano, eles cantam também, em seus acentos mais profundos e mais pungentes, a sede desse vinho celeste que é a essência da Beleza; toda música erótica reencontra, na medida de sua autenticidade e de sua nobreza, os sons ao mesmo tempo encantatórios e liberadores da flauta de Krishna. (*) Continuar lendo

A virtude espiritual é uma forma de objetividade

Se nos perguntassem — de encontro à evidência das coisas — o que tem a ver a virtude com as questões de realização espiritual, portanto de técnica rigorosa e extra-individual, responderíamos o que se segue, colocando-nos no mesmo ponto de vista estritamente prático: a realização espiritual impõe à alma uma imensa desproporção, pelo fato de que ela introduz a presença do sagrado nas trevas da imperfeição humana; ora, isso provoca fatalmente reações desequilibrantes que comportam em princípio o risco de uma queda irremediável, reações que a beleza moral, combinada com as graças que ela atrai por própria sua natureza, pode grandemente impedir ou atenuar. É precisamente essa beleza que os diletantes ambiciosos e desprovidos de imaginação creem poder desdenhar, pois eles não veem nela senão um sentimentalismo alheio ao que eles creem ser a técnica realizadora; no entanto, quando a alma se vê como suspensa entre dois mundos, um já perdido e o outro ainda não atingido, só uma virtude fundamental e a graça podem salvá-la da vertigem, e só essa virtude a imuniza logo de vez contra as tentações e as desviações.

No plano da alquimia espiritual, é importante não confundir uma moralidade puramente extrínseca com a virtude intrínseca — esta podendo de resto parecer amoral em certos casos —, nem uma virtude natural de envergadura fraca com uma virtude profundamente enraizada no coração e englobando a alma inteira. É importante compreender antes de tudo este princípio: é intrinsecamente moral o que, mesmo comportando um benefício num grau qualquer, não prejudica ninguém; é intrinsecamente imoral o que, sem ser proveitoso a ninguém, prejudica outros ou a nós mesmos; sempre levando em conta a hierarquia de valores.

As virtudes, por um lado, favorecem ou mesmo condicionam as atitudes contemplativas e, por outro, resultam delas na medida em que essas atitudes são sinceras. Uma virtude é profunda na medida em que ela coincide com uma superação de si, a qual é sinônimo de objetividade, de imparcialidade fundamental, de serenidade já celeste. Pois o virtuoso é virtuoso porque sua inteligência e sua sensibilidade percebem o próprio ser das coisas.

Frithjof Schuon, L’Esoterisme comme Principe et comme Voie (O Esoterismo como Princípio e como Via), Dervy-Livres, Paris, 1978, pp. 109-110.

A ciência moderna ignora o que são a inteligência, a existência, o ser humano

A ciência moderna, que é racionalista quanto ao sujeito e materialista quanto ao objeto, pode nos situar fisicamente e de uma maneira aproximativa, mas ela não pode dizer nada sobre nossa situação extra-espacial no Universo total e real. Os astrônomos sabem mais ou menos onde nos encontramos no espaço, em que “lugar” relativo, em qual braço periférico da Via Láctea, e eles sabem talvez onde esta se situa entre as outras poeiras de estrelas; mas eles ignoram onde estamos nos “espaço” existencial: a saber, num estado de endurecimento e no centro ou no cume deste, e ao mesmo tempo na borda de uma imensa “rotação”, a qual não é senão a corrente das formas, o escoamento “samsárico” dos fenômenos, o panta rhei de Heráclito. A ciência profana, querendo penetrar até o fundo do mistério dos recipientes — o espaço, o tempo, a matéria, a energia —, esquece o dos conteúdos: ela quer explicar as propriedades quintessenciais de nosso corpo e o funcionamento íntimo de nossa alma, mas ela ignora o que são a inteligência e a existência; e, por consequência, ela não pode não ignorar — dados os seus princípios — o que é o homem.

(Frithjof Schuon, O Homem no Universo)

* * *

La science moderne, qui est rationaliste quant au sujet et matérialiste quant à l’objet, peut nous situer physiquement, et d’une façon approximative, mais elle ne peut rien dire sur notre situation extra-spatiale dans l’Univers total et réel. Les astronomes savent à peu près où nous nous trouvons dans l’espace, à quel « endroit » relatif, dans quel bras périphérique de la Voie Lactée, et ils savent peut-être où celle-ci se situe parmi les autres poussières d’étoiles ; mais ils ignorent où nous sommes dans l’« espace » existentiel : à savoir dans un état de durcissement et au centre ou au sommet de celui-ci, et en même temps au bord d’une immense « rotation », laquelle n’est autre que le courant des formes, l’écoulement « samsârique » des phénomènes, le panta rhei d’Héraclite. La science profane, en voulant percer à fond le mystère des contenants – l’espace, le temps, la matière, l’énergie – oublie celui des contenus : elle veut expliquer les propriétés quintessentielles de notre corps et le fonctionnement intime de notre âme, mais elle ignore ce qu’est l’intelligence et l’existence ; et par conséquent, elle ne peut pas ne pas ignorer – vu ses principes – ce qu’est l’homme.

(Frithjof Schuon, Regards sur les Mondes Anciens)

* * *

Modern science, which is rationalist as to its subject and materialist as to its object, can describe our situation physically and approximately, but it can tell us nothing about our extra-spatial situation in the total and real Universe. Astronomers know more or less where we are in space, in what relative “place”, in which of the peripheral arms of the Milky Way, and they may perhaps know where the Milky Way is situated among the other assemblages of stardust; but they do not know where we are in existential “space”, namely, in a state of hardness and at the center or summit thereof, and that we are simultaneously on the edge of an immense “rotation”, which is not other than the current of forms, the “samsaric” flow of phenomena, the panta rhei of Heraclitus. Profane science, in seeking to pierce to its depth the mystery of the things that contain — space, time, matter, energy — forget the mystery of the things that are contained: it tries to explain the quintessential properties of our bodies and the intimate functioning of our souls, but it does not know what intelligence and existence are; consequently, given what its “principles” are, it cannot be otherwise than ignorant of what man is.

(Frithjof Schuon, Light on the Ancient Worlds)

A absurdez que nos cerca

“Uma das coisas mais difíceis de suportar é a absurdez humana; aceitá-la a título de necessidade ontológica faz parte do Islã. Há pessoas que acreditam que é virtuoso não ver o mal e fingir que o preto é branco, o que é a própria negação da inteligência; na realidade, trata-se de discernir exatamente entre o bem e o mal ao mesmo tempo em que se se resigna, não ao mal enquanto tal, mas à existência metafisicamente inevitável do mal. Tudo isto é evidente, mas eu o escrevo porque o espetáculo do mal faz sofrer e porque já é algo de santidade saber combinar um discernimento implacável com uma serenidade inalterável; a qual não exclui, aliás, a santa cólera, diga-se de passagem.”

Frithjof Schuon, carta de 7 de fevereiro de 1980.