O homem é uma medida

O que nós vemos tem um sentido. Há uma proporção envolvida. E a medida disso é o homem. Se não houvesse o homem, não haveria este mundo.

Vejamos, a este respeito, dois extratos de Schuon:

“Quando Deus cria o homem à sua imagem, ele cria uma medida; a percepção humana do mundo corresponde à intenção criadora de Deus. O homem é por definição um centro, ou ‘o centro’ num dado universo; ele o é, não por acidente, mas em função da própria natureza do Ser, e é por isso que o que é grande ou pequeno para o homem é grande ou pequeno na intenção divina; o homem percebe as coisas como elas se apresentam no Intelecto divino.” [Frithjof Schuon, “O Véu de Ísis”, Raízes da Condição Humana.]

“Não surpreende que a ciência que deriva da queda — ou de uma das quedas — e da redescoberta ilusória do mundo sensível seja a ciência somente do sensível, ou do virtualmente sensível [1], e que negue tudo o que ultrapassa esse âmbito, que negue, consequentemente, Deus, o outro mundo e a alma [2], incluindo a fortiori o puro Intelecto, o qual, precisamente, é apto a conhecer tudo o que ela rejeita; pelos mesmos motivos, ela nega também a Revelação, que, por sua vez, refaz a ponte que se rompeu com a queda.

“Segundo as observações da ciência experimental, o céu azul que se estende acima de nós é não um mundo de beatitude, mas uma ilusão óptica causada pela refração da luz na atmosfera, e desta perspectiva tem-se evidentemente razão de negar que a morada dos beatos se encontre lá em cima; mas se estaria totalmente errado em negar que a associação de ideias entre o céu visível e o Paraíso celeste resulte da natureza das coisas e não da ignorância e da ingenuidade mescladas com imaginação e e sentimentalidade, pois o céu azul é um símbolo direto e portanto adequado dos graus superiores — e suprassensoriais — da Existência; ele é também uma reverberação longínqua de tais graus, e o é necessariamente dado que é realmente um símbolo, consagrado pelas Escrituras sagradas e pela intuição unânime dos povos.[3]

“Esse caráter de símbolo é tão concreto e eficaz que as manifestações celestes, quando vêm ao nosso mundo sensível, “descem” na terra e “voltam a subir” ao Céu; o simbolismo sensível depende da realidade suprassensível que ele reflete. Os anos-luz e a relatividade da relação espaço-tempo não têm absolutamente nada a ver com o tema — totalmente ‘exato’ e ‘positivo’ — do simbolismo das aparências e de sua ligação ao mesmo tempo analógica e ontológica com as ordens celestes ou angélicas; que o símbolo em si mesmo possa ser unicamente uma ilusão de óptica não diminui de fato sua exatidão nem sua eficácia, pois toda aparência, incluindo a do espaço e das galáxias, não é, rigorosamente falando, senão uma ilusão criada pela relatividade.” [Frithjof Schuon, “Queda e Decadência”, O Homem no Universo.]

Notas

[1] Tal nuance se impõe porque se objetará que a ciência opera com elementos que escapam aos nossos sentidos.

[2] Dizemos não que todos os cientistas neguem tal realidade, mas que a ciência a nega, o que é totalmente diferente.

[3] Dizer “símbolo” equivale a dizer “participação” ou “aspecto”, sejam quais forem as diferenças de nível.

 

Uma ideia sobre “O homem é uma medida

  1. Fernando Figueira Borgomoni

    A cegueira da ciência moderna aprisiona o pensamento humano porque rompe com uma vastíssima possibilidade de conhecimento, quando nega toda e qualquer manifestação que não esteja estritamente ligada às razões matemáticas do universo material. O exemplo de Frithjof Schuon (o do céu azul) tem a clareza de uma sabedoria que suplanta a de nossa ciência e que por sua universalidade pode expressar-se por tudo e em tudo, admitindo uma simplicidade que em poucas palavras põe abaixo os postulados, pretensamente lógicos, do pensamento moderno.

    Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s